COMUNICANDO: Google faz parceria com Waze e projeto brasileiro prevê a proibição por aqui

O Waze é, se não o principal, um dos aplicativos preferidos de quem dirige. As facilidades trazidas pelo programa, que além de guiar o motorista ainda indica acidentes, buracos e obras pelo trajeto, são inegáveis e podem ficar ainda melhores. Isso porque, conforme divulgado pelo Wall Street Journal, o Google está prestes a integrar um serviço de caronas ao aplicativo.

O “Waze Commute”, como ficou batizado o recurso, nada mais é que a possibilidade de dividir uma viagem com outros usuários, algo semelhante ao Uber Pool, mas que não conta com um motorista da empresa. Basicamente, a ferramenta deve conectar pessoas que estão indo para o mesmo trajeto e permitir que elas combinem caronas entre si.

A remuneração pela carona é simbólica, algo em torno de R$ 1 por quilometro, já que o objetivo não é fazer do oferecimento de caronas um negócio. O valor seria mesmo uma contribuição para dividir os gastos com combustível e não um pagamento pelo serviço de motorista. Nesse sentido, a empresa afirma que não há intenção de lançar um serviço semelhante ao Uber e Lift. Vale lembrar o Google e o Uber já foram parceiros em 2013, quando a gigante investiu US $ 258 milhões  na empresa.

Disponível em Israel, país de origem do Waze, o Commute deve ser oficialmente lançado no próximo trimestre. Inicialmente, apenas a região de San Francisco, casa da Alphabet nos Estados Unidos, deve ser contemplada com o recurso. O Google ainda não deu detalhes sobre o lançamento do recurso para demais territórios.

E o Waze caminhando para ficar ainda melhor, corre grande risco de ser sabotado no Brasil

O projeto prevê a proibição de aplicativos como o Waze no Brasil, que mostram ao usuário onde encontrar blitz e radares no trânsito. O app, que pertence ao Google, oferece rotas e sugestões de caminhos pelo mapa, e uma de suas funções inclui a indicação de onde esses postos estão localizados.

O projeto de lei nº 5596 de 2013, proposto pelo deputado Major Fábio (PROS-PB), sugere a alteração do Código de Trânsito Brasileiro para transformar em infração o uso de dispositivos eletrônicos, aplicativos ou redes sociais que identifiquem esses pontos de interesse no mapa.

02Se a lei for aprovado e o Waze não remover a função, o app pode muito bem ser banido do país. Já o motorista que for flagrado usando algum sistema do tipo pode receber uma multa de até R$ 50 mil. Na CCTCI, a pauta foi aprovada por unanimidade. Agora, a proposta aguarda o parecer da Comissão de Viação e Transportes (CVT).

Se for aprovada novamente, o PL segue para a Comissão de Constituição e Justiça. Só depois disso o projeto será discutido no plenário da Câmara e, se aprovado, encaminhado ao Senado, de onde partirá para a Presidência da República para ser aprovado ou vetado em definitivo.

Fonte: Olhar Digital e Adnews

 

Post Autor: Comunicando

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *