COMUNICANDO: A condenação por Larissa Ximenes

Uma realidade dura e cruel: nunca seremos boas mães aos olhos dos outros. As pessoas criticam e colocam à prova seu papel materno. Você vai chegar a duvidar se realmente é uma boa mãe, mas não acredite nisso! Pelo seu bem e do bebê. Junto com a gravidez somos agraciadas com o instinto materno (sim, ele existe), e é ele quem vai nos socorrer nos momentos mais difíceis.

Vão te crucificar porque em determinado dia você não cantou para seu bebê na hora de dormir. E até mesmo por algo que você não fez e pior, ainda terá que dar satisfação de tudo que faz ou deixa de fazer. Eu aguentei até onde pude (e olha que tenho uma paciência do cão!), mas um dia surtei: “Vai me ajudar a limpar a casa, dar banho, comida? Se a resposta for sim, pode falar à vontade, caso contrário, pode ir parando por aí.” Rsrsr Precisamos surtar de vez em quando.

 

É incrível como as mães se julgam melhores que as outras. Peço aqui uma reflexão que tenho colocado em prática: cada pessoa teve uma criação diferente. E não necessariamente a sua é melhor que a minha, e vice versa. É preciso respeitar o espaço do outro. Se você acha que segurar o bebê no colo vai deixar o bebê manhoso, eu não! Super me identifiquei com o método Canguru (falarei sobre ele em outro momento).

Assim que cheguei da maternidade, uma pessoa que estava em casa falou para deixar o bebê no berço para ele não ficar manhoso, e o meu namorado me falou: “Nossa, estou com tanta vontade de segurar ele, mas não posso ficar pegando ele”. Oi??? Você é o pai!! Como não pode pegar seu filho??

Mães, vocês já criaram seus filhos, deixem as novas mamães criarem os delas. Não imponham, não julguem, não condenem. Apoiem e compartilhem experiências. Nós agradecemos!

larissa ximenes

Post Autor: Comunicando

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *