Jlem

Que a internet tem uma força incrível para divulgação de pessoas, produtos, projetos todo mundo sabe. Mas será que hoje o processo de trabalho para que a publicidade atinja o objetivo necessário é igual há dois, três cinco anos atrás? A resposta você já sabe: óbvio que não.

Há cinco anos não existia anúncio patrocinado no instagram – aliás a rede social ainda era um aplicativo engatinhando no Brasil; não tínhamos anúncios no facebook e nem no twitter. Os anúncios do Google eram pouquíssimos utilizados, blogueiras, youtubers e digital influencers ainda não tinham o destaque que conhecemos hoje. Meu Deus, o mundo era outro?

Praticamente né? Neste “outro mundo” foi por meio da internet que a dupla João Lucas e Marcelo meteoricamente se tornou conhecida no Brasil e no mundo. Como? Os cantores, que haviam formado a dupla há apenas nove meses, gravaram o hit “Eu quero tchu, eu quero tcha” e colocaram em seu canal no youtube. Abrindo um parêntese, naquela época era comum cantores e grupos musicais utilizarem os famosos “motorzinhos” para aumentar o número de visualizações dos vídeos para que eles ficassem nos top mais e conseguissem destaque.

Bom, voltando a João Lucas e Marcelo, os meninos gravaram e modificaram a música – que já havia sido achada no youtube do compositor que morava na Paraíba e colocaram no canal oficial da dupla. Um amigo do Neymar achou a música legal e mostrou para ele em um churrasco. Naquela época, o astro do Barcelona ainda jogava no Santos. Neymar adorou a música.

No domingo seguinte, O santos jogou contra o Palmeiras e Neymar fez o seu centésimo gol. Advinha qual a música que veio na cabeça do jogador  para comemorar o gol? Exatamente, “Eu quero tchu, eu quero tcha”. Neymar não conhecia João Lucas e Marcelo e naquele momento criou a coreografia da música que iria mudar a história dos cantores.

Depois de Neymar, Homer Simpson, Obama, Daniel Alves, Cristiano Ronaldo, o exército de Israel, eu e você dançamos a música que virou febre no cenário nacional e internacional. A dupla fez turnê em 9 países da Europa e nos Estados Unidos, graças a essa música. “No domingo tocávamos no barzinho do Marista, na segunda éramos celebridade”, conta Marcelo Martins – primeira voz da dupla.

A importância da internet

Vamos recordar qual foi o canal que propiciou o sucesso da dupla? Isso mesmo: a internet. Depois de “Eu quero Tchu, Eu quero Tcha”, João Lucas e Marcelo emplacaram “Louca, Louquinha” como a música mais tocada nas baladas no ano de 2013, “Joga o copo pro alto” – que a dupla gravou com Ronaldinho Gaúcho – como a música mais tocadas na noite no ano de 2014 e “Agora é pra valer”, que teve a participação de Wesley Safadão como uma das músicas mais executadas nos anos de 2015 e 2016.

O mais incrível é: a dupla não faz investimento em rádio e admite que o trabalho de internet deles não é eficaz. “Nossas músicas vão sozinhas. Parece coisa de Deus”, pontua o cantor Marcelo ao explicar porque fechou parceria com a Multiponto Marketing para organizar o trabalho de mídias sociais. “A internet é muito vasta. Tem diversas ferramentas fantásticas que podem alavancar o alcance do nosso trabalho e conquistar novos espaços e até rendimentos. Só que é preciso fazer da maneira correta”, justifica.

O cantor conta que tem consciência que em cinco anos, desde o estouro de “Eu quero tchu, eu quero tcha” até os dias de hoje, a internet e o trabalho desenvolvidos mudaram muito. “Quando a gente começou os empresários e os gestores falavam em “motorzinho”, “gost”, “fake” que a gente sabe que eram ferramentas mais fáceis para conquistar números, mas que não geravam engajamento e nem contato direto e imediato com os fãs. Hoje, temos consciência que isso não dá retorno. O trabalho de internet tem que ser visto como algo científico, matemático e que deve ser feito com cautela, atenção e rotina”, disse o cantor ao Comunicando.

Marcelo, que também inicia um novo trabalho de marketing digital para a sua carreira de compositor, afirma que não vê possibilidade de sucesso para profissionais que não sabem utilizar com sabedoria e eficácia as ferramentas digitais. “Antigamente, buscávamos as referências em programas de televisão, rádios e revistas. Hoje as grandes referências estão na internet. Por isso, decidimos profissionalizar o nosso trabalho e investir em planejamento monitorado de internet.

 

fernanda cappellesso

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *